Extraordinário, de R.J Palacio

10-extraordinarioComo disse anteriormente, emendei a leitura de Extraordinário, foi mais forte do que eu. Não tenho mais palavras para complementar o que já disse em Plutão. Extraordinário simplesmente é o livro que todos os humanos deveriam ler ao menos uma vez na vida. E assim, quem sabe, viveríamos em um lugar com menos críticos que, diga-se de passagem, só sabem enxergar os defeitos alheios.

Imaginar que, muitas vezes não precisamos ter defeitos aparentes para já sermos julgados e isolados. Passei muito por isso na escola e na vizinhança quando pequena, eu sempre me importei muito com o que as pessoas falavam e pensavam. Hoje, me importo ainda, mas com bem menos intensidade.

Em Extraordinário, vemos uma pessoa negando o seu eu para agradar outros, porém, outros fatores acabaram sendo cruciais para a redefinição de seus conceitos. O livro conta a história sob o ponto de vista de August, nosso querido Extraordinário e sob a visão de alguns de seus amigos mais próximos. Eu diria que é estranho “ver” o que se passa na mente de uma pessoa (ou o que pode passar), pois ninguém pensa em se colocar no lugar do outro para tentar entender algumas de suas atitudes. As vezes, um simples gesto, um simples bom dia, pode salvar a vida de uma pessoa.

Infelizmente, as personalidades retratadas na história, não são apenas ficção, elas existem e são bem cruéis. Esses dias por exemplo, meu filhote chegou em casa todo chateado, dizendo que algumas crianças começaram a rir dele e chamá-lo de “menininha” e isso porque ele ficou quieto no canto e não quiz participar do que quer que estivessem fazendo. Sabe a vontade que deu né? Ir lá e socar os imbecis. Poxa, isso ainda existe no mundo de hoje? Que tipo de monstros esses pais estão criando? Só pude dizer uma coisa, já que a escola também pouco se importa (isso já é causo para um post inteiro). Filhote, não dê atenção a eles, devem ser muito infelizes e precisam chamar a atenção dessa forma para se sentirem bem.

“A questão é que, quando eu era pequeno, nunca me incomodava em conhecer outras crianças porque elas também eram pequenas. O legal de crianças pequenas é que elas não dizem coisas para tentar magoar você e, mesmo que às vezes façam isso, não sabem o que estão falando.”

“Quando tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil.”

Adorei o trecho abaixo, sei lá porque. 🙂

“Meu aniversário é no dia dez de outubro. Gosto da data: 10/10. Seria bem bacana se eu tivesse nascido exatamente às 10h10 da manhã ou da noite, mas não. Nasci logo depois da meia-noite. Ainda assim acho meu aniversário legal.”

“A mamãe e o papai sempre disseram que eu era a menininha mais compreensiva do mundo. Mas a questão é que eu apenas entendia que reclamar não adiantaria nada. Eu vi August depois das cirurgias: seu rostinho inchado e enfaixado, seu corpinho cheio de cateteres e tubos para mantê-lo vivo. Depois que você vê alguém passando por isso, parece loucura reclamar por não ter ganhado o brinquedo que pediu ou porque sua mãe perdeu a peça da escola. Aprendi isso aos seis anos. Ninguém nunca me disse. Eu simplesmente soube.”

“Vamos criar uma nova regra de vida… sempre tentar ser um pouco mais gentil que o necessário?” (J. M. Barrie)

 

Nota 5 (1 – 5) .
Autor: R.J Palacio
Título: Extraordinário
Número de páginas: 320 (epub)
Ano de publicação: 2013

Paz e bem.

Plutão, de R.J Palacio

10-plutaoO que dizer de Plutão? Que depois da leitura relâmpago, eu agarrei Extraordinário para leitura e que estou adorando tanto quanto?

É, sim, acho que é um bom começo.

Plutão é uma pequena história através da visão do primeiro amiguinho do Extraordinário. Isso foi o que li enquanto procurava por uma capa descente para ilustrar esse post. Lembro-me bem, já faz algum tempo, em que folheei Extraordinário em uma livraria, li orelhas, prefácio, introdução, e sei lá mais o quanto pude, mas deixei-o para traz, pois estou numa fase de desatulhar, e ultimamente, se algo entrar em casa, alguma coisa tem que sair. Como não tinha intenção de colocar ninguém para fora, ninguém entrou. Todos saúdem os e-books (a mandioca também, enfim). Eu nunca imaginei que um dia adoraria tantos os e-books a ponto de abandonar o papel.

Plutão é simplesmente sutil, e cheio de pequenos toques, li em dois fôlegos e em alguns momentos as lágrimas insistiam tanto em vir, que foi bem difícil continuar. Mesmo assim, resisti. 🙂

Talvez tenha aprendido as lições, talvez não. Ando passando por um momento de grandes decisões e, tudo que posso dizer é que minha principal meta é ser feliz. Li ainda essa semana uma conclusão que achei o máximo: “Não trate como Oreo quem te trata como Negresco.”

E, sim, para bom entendedor, um olhar basta.

“- Vai! – Ela se virou e me lançou aquele olhar que ela faz às vezes: os olhos ficam enormes e ela fica parecendo um passarinho do Angry Birds. – Saia do carro e entre na escola! Já!”

“‘Boas amizades valem um esforcinho a mais’, eu me lembro de ter dito isso a eles.”

“Quando algo assustador assim acontece, funciona como um alerta, sabia? Faz a gente repensar o que é mais importante na vida. Nossa família. Nossos amigos. As pessoas que amamos. – Ele olhava para mim enquanto falava, mas eu quase sentia que estava falando para si mesmo. Seus olhos estavam marejados.”

 

Nota 5 (1 – 5) .
Autor: R.J Palacio
Título: Plutão
Número de páginas: 302 (epub)
Ano de publicação: 2015

Beijinhos

Anjinho, de Eva Furnari

IMG_20150901_241845187

Hoje passo por aqui para deixar uma breve consideração sobre a leitura do Gi.

A escola nova não tem o costume de enviar um livrinho com frequencia, até achei que sim, pois havia um projeto de literatura e tals, mas, para minha surpresa, o livro chegou somente há umas duas semanas. É, estou um pouquinho atrasada para postar, para variar.

O livro que chegou foi Anjinho, de Eva Furnari, que, apesar de eu gostar da autora, não nos agradou. Calma, o livro é bom, mas não é para a idade do Giovanne. Ele tanto não curtiu, como até estava com “vergonha” de mostrar o livro. Como veio uma ficha de leitura junto com o livro, coloquei essa posição com relação ao livro. Inclusive, na contra capa, existe uma informação de qual série ele pertence e, acredito que “pimpolhos” signifique algo importante.

Bom, vou deixar minhas considerações com relação a professoras e escola para outro post. A única coisa que adianto é: estou procurando por outra escola. 😉

O livro conta a história de um filhote de anjo, que se perdeu por essas bandas procurando um sapatinho. E a cada página ele se depara com uma coisa desconhecida, que a princípio ele considera medonha, mas depois, de entender o que é, ele percebe que os “monstros” são apenas fruto de sua imaginação.

Concluo que dar atenção a faixa etária é bem importante, uma história um pouco mais avançada gera dificuldade e ao mesmo tempo desafio. Ao contrário de uma história infantilizada, pode gerar um pouco de desmotivação.

Bom que a rotina literária aqui é mais frequente. E ainda tem mais livrinhos.

Beijinhos.

Minha primeira Lista de desejos

Faz um tempo que quero colocar a minha wishlist por aqui, mas não estava nem conseguindo montá-la offline. Então há alguns dias, comecei a listar alguns itens, e achei que chegou o momento. Coincidentemente estamos em outubro, que coisa!

Minha primeira pretensão, é pura e simplesmente voltar a praticar algo que aprendi na bruxaria a muito tempo: montar um quadro de desejos. E, como ando sem espaço para montar quadros, comprar revistas, fazer recortes e tudo mais, acho que transferi-lo para meu blog vai ser uma ótima alternativa para voltar a praticar. A ideia do quadro, é que firmemos nossos desejos, e assim conseguimos focar e realizar. Como tive boas experiências nos quadros anteriores, bora tentar novamente. Assim já consigo ter a lista, a loja e, quem sabe, a chance de desistir, mudar de ideia, e, quem sabe, de repente, ganhar.

Relógio de parede coruja, da Imaginarium;

Vestido Azul Marinho, da Posthaus;

Sapatilha vermelha, da Posthaus;

Massageador para limpeza facial, na Americanas.com;

Bandeja Laptop, da Imaginarium;

Moringa, da Imaginarium;

Copo térmico, do Submarino;

Bem, é isso, acho que está modesta, mas são coisas que realmente fariam uma libriana feliz. ;-P

Beijinhos.

Não Faz Sentido, de Felipe Neto

09-nao-faz-sentidoOlha só o que acabei lendo!
 Surgiu uma oportunidade, e fui sem muita fé, não que não acreditasse que pudesse ser bom, não é isso. Gosto dos vídeos, mas eu não sou fã de ninguém, e achei que eu não sendo o público principal,  não seria atingida.
Não é uma biografia, nada disso, o livro conta a história de como nasceu o canal Não faz sentido e tudo que o ilustre autor passou, desde não ter nenhuma pretensão a respeito até não saber lidar com a fama repentina. Conta os altos e baixos, e até certo ponto, mostra o quão baixo um ser humano pode chegar, o que eu considero o cúmulo da inveja. Explico: parece ser meio natural do ser humano falar mal de alguém quando esse outro humano se destaca da multidão, e isso existe até os dias de hoje e já perdi a esperança de que vá mudar.
Apenas tento passar minha visão, se você não gosta de algo, simplesmente não veja. A questão aqui não é: Não critique. Sim, tenha opinião, mas não precisa tratar mal, xingar ou qualquer coisa do gênero. Isso para mim é bem simples: inveja. A meu ver, a pessoa chegou lá e fez, você não.
Adorei a leitura. Eu simplesmente não imagina nem metade do que está esclarecido nele. Não consigo imaginar o quão difícil seja passar por isso, aliás, tenho uma pequena ideia, e, acho que eu piraria se tivesse sido comigo.
Indico para todos que querem fazer a diferença. Vale como aprendizado, não estou dizendo que é auto ajuda, mas volto a mencionar, aprendemos com exemplos, e, acho super válido nos inspiramos em pessoas bem sucedidas.
“É que claro que eu deveria ter me preparado pra isso, mas, porra, joguem toda essa carga na cabeça de um garoto de 22 anos que até três meses atrás passava as madrugadas sozinho vendo seriados e vocês verão o estrago que isso causa.”
“Qualquer crítica, para ser considerada como tal, deve vir sempre com argumentos, embasamento e, se possível, uma ideia de solução. Sempre busquei alimentar os vídeos do Não Faz Sentido com todos esses ideais, para fugir exatamente da temática hater (em português, seria algo como “odiador”) e fundamentar meus vídeos com uma temática mais embasada.”
“Não sabia qeum era, mas você pode reconhecer a importância de alguém quando não é ele quem liga para marcar as próprias reuniões.”
Nota 5 (1 – 5) .
Autor: Felipe Neto
Título: Não Faz Sentido
Número de páginas: 302 (epub)
Ano de publicação: 2013

Beijinhos

Epicentro 2015, quero mais!

IMG_20150926_093606647_HDR

Neste último fim de semana participamos (eu e o filhote) de um evento que aconteceu em Campos do Jordão, chamado Epicentro. É impossível descrever aqui tudo o que passei nesse evento. Você pode assistir a todos os vídeos no Youtube, mas a emoção vivida lá, só quem esteve ali, naquele momento pode entender.

No próximo Epicentro, em 2016 estarei lá. Por que? Porque sim. Foi um evento tão fora do comum, tão diferente, tão surreal, que eu não acredito que este foi o primeiro que participei. Eu amo estar no meio de pessoas tão fodásticas.

Somos heróis, e podemos mudar o mundo se começarmos por nós mesmos.

Se ficou curioso, dá uma olhadinha no canal do Youtube, vale cada segundo.

 

CYMERA_20150927_222019 CYMERA_20150929_222837 CYMERA_20150929_223731 CYMERA_20150929_224010 IMG_20150926_093040569

Go #epicentro16.

Até a próxima, beijinhos.

A Batalha, de Joseph Delaney

09-livro4-a-batalha

Depois de um tempinho voltei a encarar as Crônicas de Wardstone, acho que consegui dar um bom fôlego depois do último. E, como nos anteriores, a vontade de sair lendo tudo em seguida voltou. Já estou com pelos menos os dois seguintes em mãos, em breve eles também aparecerão por ai. Sobre o filme, depois de ver trailer, título, e críticas, talvez um dia, se sair na Netflix eu assista. Enquanto isso, os livros são muito bons. 🙂

Em A Batalha já temos um Tom mais maduro, mas a mesma teimosia e falta de tato em cair em armadilhas, bom, ao menos, agora ele tem uma ligeira noção de que está caindo logo no início, mas isso não muda muita coisa, ele continua seguindo o caminho e improvisando muito bem em suas escapadas. Agora, sua nova aventura é enfrentar os clãs de bruxas que ficaram fortes e Pendle e resolveram se unir para invocar o mal. Gente, todo mundo resolve que é uma boa ideia invocar o tal, e acham que vai ficar tudo bem, enfim. Alguns dos segredos da mãe de Tom são revelados, e suas tias aparecem para dar uma forcinha. A história te prende do início ao fim, e  estou ficando cada vez mais preocupada em que Joseph resolva dar uma de George e matar o mago em algum momento. Crises da literatura.

“- Amor – debochou Tibb. – Amor é uma ilusão que prende os mortais aos seus destinos. E agora sua mãe arriscou tudo na possibilidade de destruir o que a minha senhora preza. Ela quer destruir as trevas e criou você para ser sua arma.”

“Mas, anime-se rapaz. Onde existe a vontade existe o jeito.”

Nota 5 (1 – 5) .
Autor: Joseph Delaney
Título: A Batalha
Número de páginas: 350 (epub)
Ano de publicação: 2013

Beijinhos

Millennium 2: A menina que brincava com fogo, de Stieg Larsson

08-a-menina-que-brincava-com-fogo

Depois de um longo em tenebroso inverno e que ainda não findou, retorno novamente, das cinzas. E como era de se esperar, emendei para a continuação da série Millenium, de Stieg Larsson: A menina que brincava com fogo.

A princípio, tudo começa tranquilo, e demorei muito a encontrar o fogo nessa brincadeira. Como li no período de férias do filhote, a leitura não rendeu muito. Sim, o livro é enorme e, como o anterior, a história te prende lá pelo meio. E, já conhecendo essa característica, não me importei muito em degustar o início lentamente.

Gosto cada vez mais do estilo do autor, o que, de certa forma, me deixa apreensiva com relação a continuação que acabou de ser lançada também no Brasil. Bom, vou deixar a preocupação para quando chegar nela. Larsson consegue te prender com picos de informação, e tudo acontece de forma tão inesperada, que tem horas que acabei parando a leitura, virando para o lado e comentando com meu marido, que nada tinha a ver com o pato, coisa do tipo “Meu! Ele conseguiu fazer um Luck eu sou seu pai sem nenhuma vergonha de ser feliz!” Sério, em vários momentos choquei, e não podia continuar, precisava parar para falar com alguém. Porém, bem difícil convencer alguém a ler ao mesmo tempo para debatermos. Sonho meu…

O que me intrigou bastante foi o desfecho. Tive a impressão de que Larsson estava escrevendo e correndo para um abismo e, quando chegou a hora, largou o livro e pulou. Só por isso, vou aguardar um momento, uma pequena pausa para reflexão, uma visita a livraria mais próxima e assim, talvez, após sanar algumas dúvidas, continuar com a série.

Ah, sim, a propósito, comecei a ver o filme. Entendeu? “Comecei”, ainda não tive paciência para ver até o fim. Vou ver, prometo, mas estava muito chato. Não sou dessas que quer filme igual a livro, longe de mim, mas, acho que ao menos a alma do livro o filme deve conter e, está bem difícil de encontrar nesse roteiro. A única coisa que vale a pena é ficar olhando o Blomkvist e só.

“Inocentes não existem. Em compensação, existem diferentes níveis de responsabilidade.”

“O momento em que, súbito, falta aforça e a adrenalina circula tão depressa que vira uma carga paralisante, e uma capitulação resignada aparece no ringue, qual fantasma. É o momento que distingue o amador do profissional, o vencedor do perdedor. Poucos boxeadores, ao enfrentarem esse abismo, encontram força suficiente para reverter à luta e transformar em vitória uma derrota garantida.”

Nota 4 (1 – 5) .

Autor: Stieg Larsson
Título: Millennium 2: A menina que brincava com fogo
Número de páginas: 608
Ano de publicação: 2010

Beijinhos

Millennium 1: Os Homens que não amavam as mulheres, de Stieg Larsson

06-Os-Homens-Que-Não-Amavam-As-Mulheres

Finalmente deparei-me com Stieg Larsson, ensaiei por um bom tempo, é verdade, mas, nesse mês resolvi encarar a leitura e fiquei muito surpresa. Talvez por não esperar tanto, e por algum motivo nunca ter ouvido esse nome forte nos meus círculos, começo a questionar se ando frequentando as rodas certas.

Tive um pouco de dificuldade no início, isso com relação a nomenclatura, mas depois de adaptada, a história fluiu de tal forma, que ao final não conseguia mais parar, e quando digo “ao final”, eu quero dizer mais ou menos 200 páginas. 🙂

Temos uma história super amarrada e com personagens exóticos e cativantes a sua maneira. Um mistério de 40 anos e um ricaço excêntrico, ou seja, ambiente fácil para tudo dar errado, mas ao final, o caos foi resolvido, e a parte mais interessante, foi que tudo começou a tomar forma de um jeito tão óbvio, que não achei forçado. Eu simplesmente gostei, e já emendei a leitura para o volume 2.

Outra coisa que achei interessante foi que, sendo uma trilogia, imaginei que o mistério seria solucionado apenas no terceiro, mas, enfim, tudo foi solucionado, então, temos uma história com começo, meio e fim, e a tal trilogia, apenas mantém os personagens e o plano de fundo.

Agora, estou me preparando para ver o filme, vamos ver se o 007 se saiu um bom Mikael Blomkvist. E, vamos ver se o filme supera a enorme expectativa que criei ao ler o livro.

Dando uma zapeada pela web, vi que, apesar da morte do autor, parece que a história não acabou na trilogia e um novo escritor foi contratado para dar continuidade a série. O livro já foi lançado, mas até onde vi, ainda não chegou por aqui. Bom, enquanto isso, tenho muitas páginas pela frente e, 3 filmes para assistir. 🙂

“Um dia você também verá que a força acaba nos faltando, mas não sou hipocondríaco nem senil. Tampouco obcecado pela morte, porém estou na idade em que devo aceitar que meu tempo está chegando ao fim. Há um momento em que se tem vontade de fazer um balanço e resolver o que ficou inacabado. Entende o que quero dizer?”

“Mikael franziu as sobrancelhas. Não disse nada por um bom tempo. A síndrome de Asperger, pensou. Ou algo parecido. Um talento para ver esquemas e entender raciocínios abstratos onde os outros não vêem senão completa desordem.”

Nota 5 (1 – 5) .

Autor: Stieg Larsson
Título: Millennium 1: Os Homens que não amavam as mulheres
Número de páginas: 528
Ano de publicação: 2005

Beijinhos

o outro lado do espelho