Bruxaria Natural

A Roda do Ano

Estou replicando aqui, um texto que respondi a uma aluna um tempo atrás (uns 5 anos) sobre a Roda do Ano, minha única intenção aqui, é não perder o texto, a minha verdade é minha e pode não ser a sua…

A dúvida mais frequente sobre a Roda do ano é com relação a sua inversão por causa dos hemisférios (Norte/Sul). A Roda do Ano foi elaborada por Gardner no hemisfério Norte, uma tabela de auxílio, aonde fixou-se algumas datas que antes não tinha dias pré determinados. Antes, os grandes sabás eram comemorados com base na entrada da lua cheia em determinada constelação, ou seja, uma data móvel (tal como o carnaval e a Páscoa).

Com relação aos sabás menores, não há dúvidas com relação a inversão, já que comemora-se uma entrada de “estação do ano” (posição do sol com relação a Terra, para os antigos). Devido a isso, fica mais clara a inversão, pois festeja-se algo que tem a ver com a condição climática vivenciada na região.

OBS. Na minha opinião, deveria (talvez exista!) existir uma Roda do Ano para a região tropical, pois não se tem as 4 estações bem definidas, ficando confuso um solsticio de Inverno, por exemplo. Algumas aldeias indígenas ainda mantém suas tradições, talvez se fossemos querer ser corretos, seria esse o caminho.

Os Sabas maiores são tema de muita discussão, pois cada grupo adota a forma que acredita ser a mais correta. Na Bruxaria Natural seguimos o formato original, ou seja, hemisfério Norte, por vários motivos, entre eles:

1. Egrégora. A energia do coletivo.

2. O significado mágico. A história dos grandes sabás inicia-se com a movimentação astrológica. Quando determinada estrela chega a seu ponto mais próximo e a lua entra em sua fase cheia, temos um acontecimento mágico: a abertura de portais. E esse fenômeno acontece tanto no hemisfério sul como no hemisfério Norte, sem inversão !

3. Origem. A comemoração dos grandes sabás não começou com a Roda do Ano e sim, remonta desde os primórdios, ou seja, há séculos estas datas são reservadas com uma energia específica. Continuar trabalhando com as mesmas data apenas fortalece, pois existem muitas pessoas na mesma sintonia, pedindo ou agradecendo com os mesmo objetivo. Trabalha-se assim com o coletivo.

4. Astrologia. Vou citar como exemplo, o sabá mais importante: o Halloween. Recorde-se da energia do Halloween, se nunca participou de um, feche os olhos e tente imaginal o que a “época” do Halloween traz a você, que tipo de energia você sente? Que tipo de portal se abre? Muito bem, agora , junte isso a astrologia, o Halloween trabalha na constelação de escorpião, justamente a que fala de espiritualidade, oculto, mistério, sexualidade… escorpião tem um contato com o outro mundo, um humor sarcástico, frieza… enfim, características que “combinam” com o Halloween. Agora, tente inverter, coloque em 1º de maio. O que temos? Touro, o oposto complementar de escorpião, uma constelação de terra, calma, pés no chão, caseira, ingênua,  beleza (regido por Vênus), vaidade, luxo… consegue imaginar um Halloween nessa data?

Em 1º de maio temos o Belthane, a comemoração da fertilidade, amor, onde celebram-se casamento, reafirmação do amor e pede-se o encontro do par ideal, “coincidentemente” maio é o mês das noivas… consegue imaginar essa celebração em 31 de outubro?

Para finalizar, trocar essas datas, seria como trocar o Natal com as festas juninas!

Enfim, em momento algum estou querendo te convencer a seguir esse ou aquele meio, estou lhe mostrando a minha verdade, é nisso que acredito, faça a TUA verdade !

Agora, você está estudando, conhecerá um lado, o tradicional e mais antigo, usado no berço do paganismo. Ouça seu coração, ele irá te mostrar o SEU caminho, aquele que você PRECISA seguir e não aquele que QUEREM que você siga…

OM HARA

Criatura da área de exatas que ama ler e estudar além de esconder-se na bolha. Típico né? Apenas buscando um lugar discreto e elegante ao sol. Programadora web, leitora compulsiva, ama o belo e exótico, apreciadora de uma boa música.

  • Perfeito!!! Essa discussão sobre a roda as vezes me aborrece, respondo simplesmente com um “assim funciona pra mim”. Conheci uma bruxa do interior em que comemorava os sabás menores e maiores conforme um ciclo de colheita. Pois foi assim que ela aprendeu com sua família. Ela explicando é lindo, mas não funciona pra mim. Não tenho dificuldade alguma com os sabás maiores, mas o menores com esse clima maluco do Brasil, confesso me deixa um pouco confusa. Mas enfim, cada um segue o que acha mais interessante.