Família, Literatura

Apolinário – O Homem-Dicionário de Fábio Yabu

Apolinário O Homem-Dicionário de Fábio Yabu

Desde o lançamento fiquei curiosa para comprar esse livro para meu filhote e assim que tive oportunidade coloquei meu desejo em prática. Sim, eu sei que prometi não comprar mais livros infantis sem folhear antes, culpa de alguns livros medíocres, MAS com esse eu tinha uma recomendação especial: eu (assumo) gosto de Princesas do mar, acho que a história agrega algo aos pequenos, tratando-os como se deve. Apolinário é do mesmo autor, a diferença é que ele não ilustrou, quem o fez foi Daniel Bueno, que fez seu trabalho com esmero.

A história em si, agrada aos dois públicos, tem tiradinhas para os grandinhos rirem, e é uma bela história para os pequeninos. Meu filhote por exemplo, está numa fase em que adora ficar encontrando palavras que combinam, e para ele tudo rima. Quando ele ouviu logo o início do livro, já interrompeu todo feliz “olha rima!! Sujeito e defeito !!!”. Para ele isso é um tremendo achado. E mesmo percebendo que tem muito da história que ele ainda não percebeu, acredito que valeu a pena, pois um livro infantil, é algo que precisa ser lido, relido e relido e relido e a cada releitura encontramos algo que antes não havíamos reparado, percebemos que algo nos toca e que na realidade sempre esteve por ali… Creio que esse será um bom “amigo” para quando o filhote começar a decifrar palavras, e com certeza vou amar que ele leia para mim… Por enquanto, fico satisfeita e levá-lo a esse universo!!

Um viva ao autor e ao ilustrador, merecem pois respeitam a inteligência das crianças!!

Fica a indicação:

Título: Apolinário O Homem-Dicionário
Autor: Fábio Yabu
Ilustrador: Daniel Bueno
Páginas: 40

Beijos e até mais…

Mais indicações:

O Patinho Feio

Criatura da área de exatas que ama ler e estudar além de esconder-se na bolha. Típico né? Apenas buscando um lugar discreto e elegante ao sol. Programadora web, leitora compulsiva, ama o belo e exótico, apreciadora de uma boa música.

  • Poxa, que legal, muito obrigado pela crítica! 🙂
    Um abraço,
    Fábio Yabu