Literatura

A Montanha Encantada, de Maria José Dupré

A Montanha Encantada, de Maria José DupreLembro-me que a primeira vez que li esse livro, estava em férias e de cama. Li com cobertas dum lado e termômetro de outro. Achei o máximo. Uma leitura de um dia. Isso foi na quarta série, e mal posso situar direito isso no tempo, já que com as mudanças, tudo ficou confuso demais para fazer associações. Bem, já o li e reli diversas vezes, mas, desta vez, foi diferente: li para o filhote.

Achei que era o momento. Ele, a princípio, se assustou um pouco, achou grande, muito texto, sem figuras. E eu parti para o lado: cadê sua imaginação? E assim, ficamos por mais de um mês, na aventura. Foi uma delícia. Começamos com um capítulo por dia, nem todos os dias, ele pedia para parar, dizendo estar com sono e, ao final, eu estava lendo 3 capítulos por dia, pedindo folga para poder dormir  pois teria que acordar cedo.

Valeu a pena, e já estamos separando outros para não perder o ritmo. Caso peça ao filhote que conte algo sobre a história, não estranhe algumas adaptações, do tipo “a montanha dos duendes”, e outros do tipo.

A história começa com as crianças em férias na fazenda, e relembrando as aventuras passada na Ilha Perdida (uma outra história). Já um pouco entediados, buscam por uma aventura em qualquer lugar, até que notam uma luz diferente em uma das montanhas que cerca a fazenda. A tal luz aparecem em vários momentos do dia e da noite, sem uma frequência certa. Curiosos, organizam uma excursão para o topo da montanha. Cavalos, barracas, lanche, tudo pronto para a aventura, e assim, partem animados para descobrir o segredo da montanha.

“A maior riqueza é a do espírito, meus filhos, nunca se esqueçam disso! Nós temos olhos, ouvidos, coração e cabeça, mas não temos o que apreciar, portanto todo este ouro, todos estes brilhantes de nada valem. E aquele que não pode ou não sabe apreciar a beleza de uma flor, admirar o voo de um pássaro, ler um livro, ouvir uma música, sentir o sol… pode possuir as maiores riquezas deste mundo… será sempre pobre, o mais pobre dentre os pobres da terra….”

Filhote se encantou, as vezes o vejo com o livro, folheando e observando as poucas figuras, e vez ou outra cita alguns trechos. Acho que estou adorando viciar alguém na leitura, vou ter alguém bem perto para poder devanear. 🙂

Beijinhos.

Criatura da área de exatas que ama ler e estudar além de esconder-se na bolha. Típico né? Apenas buscando um lugar discreto e elegante ao sol. Programadora web, leitora compulsiva, ama o belo e exótico, apreciadora de uma boa música.