Literatura

Millennium 2: A menina que brincava com fogo, de Stieg Larsson

08-a-menina-que-brincava-com-fogo

Depois de um longo em tenebroso inverno e que ainda não findou, retorno novamente, das cinzas. E como era de se esperar, emendei para a continuação da série Millenium, de Stieg Larsson: A menina que brincava com fogo.

A princípio, tudo começa tranquilo, e demorei muito a encontrar o fogo nessa brincadeira. Como li no período de férias do filhote, a leitura não rendeu muito. Sim, o livro é enorme e, como o anterior, a história te prende lá pelo meio. E, já conhecendo essa característica, não me importei muito em degustar o início lentamente.

Gosto cada vez mais do estilo do autor, o que, de certa forma, me deixa apreensiva com relação a continuação que acabou de ser lançada também no Brasil. Bom, vou deixar a preocupação para quando chegar nela. Larsson consegue te prender com picos de informação, e tudo acontece de forma tão inesperada, que tem horas que acabei parando a leitura, virando para o lado e comentando com meu marido, que nada tinha a ver com o pato, coisa do tipo “Meu! Ele conseguiu fazer um Luck eu sou seu pai sem nenhuma vergonha de ser feliz!” Sério, em vários momentos choquei, e não podia continuar, precisava parar para falar com alguém. Porém, bem difícil convencer alguém a ler ao mesmo tempo para debatermos. Sonho meu…

O que me intrigou bastante foi o desfecho. Tive a impressão de que Larsson estava escrevendo e correndo para um abismo e, quando chegou a hora, largou o livro e pulou. Só por isso, vou aguardar um momento, uma pequena pausa para reflexão, uma visita a livraria mais próxima e assim, talvez, após sanar algumas dúvidas, continuar com a série.

Ah, sim, a propósito, comecei a ver o filme. Entendeu? “Comecei”, ainda não tive paciência para ver até o fim. Vou ver, prometo, mas estava muito chato. Não sou dessas que quer filme igual a livro, longe de mim, mas, acho que ao menos a alma do livro o filme deve conter e, está bem difícil de encontrar nesse roteiro. A única coisa que vale a pena é ficar olhando o Blomkvist e só.

“Inocentes não existem. Em compensação, existem diferentes níveis de responsabilidade.”

“O momento em que, súbito, falta aforça e a adrenalina circula tão depressa que vira uma carga paralisante, e uma capitulação resignada aparece no ringue, qual fantasma. É o momento que distingue o amador do profissional, o vencedor do perdedor. Poucos boxeadores, ao enfrentarem esse abismo, encontram força suficiente para reverter à luta e transformar em vitória uma derrota garantida.”

Nota 4 (1 – 5) .

Autor: Stieg Larsson
Título: Millennium 2: A menina que brincava com fogo
Número de páginas: 608
Ano de publicação: 2010

Beijinhos

Criatura da área de exatas que ama ler e estudar além de esconder-se na bolha. Típico né? Apenas buscando um lugar discreto e elegante ao sol. Programadora web, leitora compulsiva, ama o belo e exótico, apreciadora de uma boa música.