Literatura

Os Sete de André Vianco

Os Sete, de André Vianco

Enfim uma história de vampiros de verdade!

Bem, confesso que com relação ao tema (vampiros) minha curiosidade se resumia apenas aos filmes, e nada mais. Esse portanto, foi o primeiro livro que li sobre, e gostei, eles não são diferentes do que eu imaginava, apenas ressalvando que nunca os havia imaginado portugueses, e nem que algum tipo de aventura pudesse acontecer assim, por aqui, no Brasil, em São Paulo… Gostei disso. 🙂

Escolhi Os Sete por indicação, ouvi muito falar, e muito bem! Apenas por isso! A decisão não foi fácil, havia lido um livro dele anteriormente que não havia curtido muito, mas para minha felicidade esse tem um ritmo diferente. Gostei da forma como o autor aplica um regionalismo, permitindo que o leitor consiga situar exatamente o local e, às vezes, quem está falando. Mesmo algumas falas pesadas, coisa que não curti muito, são compreensíveis situando-se ao cenário. O início da leitura acabei empacando um pouco e enrolando bastante, mas depois de um certo ponto, quando os vampiros começam a agir, fica difícil de parar (imagine a angustia desta que vos fala, dentro do fretado cuja luz de leitura não serve nem para que se enxergue quem está ao seu lado, quem dirá ler!!). Fora esse empecilho, de pouco tempo dedicado no início, nada mais afetou e o resultado é que agora eu PRECISO ler Sétimo !!! /o

Outra coisa que achei legal, foi a continuidade, já havia ouvido falar que esta história possui continuação, minha preocupação foi de que ela morresse no meio do caminho obrigando a ler outros volumes, mas, não, a história tem começo meio e fim super definidos, minha vontade de ler a continuação preza-se tão somente em voltar ao Universo apresentado em Os Sete, digo mais, a história é tão envolvente que me peguei observando a tempestade, o frio, e até pescando alguns comentários soltos de pessoas pelo caminho, como por exemplo “hoje a temperatura caiu muito rápido, foram mais de xº!!”. Outra coisa interessante, foi pegar, também no meio duma distração, uma reportagem que diziam que haviam encontrado no litoral de Santa Catarina um galeão afundando. Tá, depois a reportagem explica que nessa faixa do litoral sul possuí muitos casos assim. Bem, só comentários paralelo, espero que dê curiosidade, a história vale muito a pena!

Quanto a escolha de trecho, essa sim é uma tarefa difícil, como escolher algo interessante o suficiente, mas que NÃO estrague a história? É, uma ótima pergunta, e um desafio e tanto, até que decidi por esse aqui:

“(…) Na face inferior, sobre a qual a caixa fora apoiada, deixando-a completamente oculta, havia um pequeno texto escrito em três línguas, primeiro português, depois espanhol e por último inglês. Os dois últimos reproduziam fielmente o primeiro:

Nobres homens de bem, jamais ouseis profanar este túmulo maldito. Aqui estão sepultados demônios viciados no mal e aqui devem permanecer eternamente. Que o Santo Deus e o Santo Papa vos protejam.

Os estudiosos desconsideraram o aviso imediatamente. Sabiam que o povo português era um dos mais supersticiosos de todas as nações da época. Sabiam também que dizeres como aqueles eram frequentemente usados para afastarar aventureiros bobocas de preciosos tesouros. Também, dependendo do ano de sua confecção, a caixa podeira ter sido um dos ápices dos trabalhos da Inquisição instaurada em Portugal.”

Após todas essas considerações entre mortos e feridos (e muitos), recomendo fortemente a leitura! Minha nota é 4.

Beijinhos e até a próxima!

Criatura da área de exatas que ama ler e estudar além de esconder-se na bolha. Típico né? Apenas buscando um lugar discreto e elegante ao sol. Programadora web, leitora compulsiva, ama o belo e exótico, apreciadora de uma boa música.